2010

Na 12a edição da Competição SAE Brasil Aerodesign novamente o regulamento impôs restrições geométricas para as aeronaves, no intervalo entre 4,5 e 6,5 m. Neste ano a equipe optou por uma metodologia de projeto que aliasse baixo peso, simplicidade e a minimização do arrasto, chegando após estudos a uma aeronave de dimensões pequenas, mas com grande área alar. Com uma envergadura de 2,0 m, optou-se pelo uso de “end plates” nas asas, o que se mostrou viável reduzindo o arrasto induzido da asa e melhorando a estabilidade longitudinal. Na fuselagem o uso de varetas de carbono e freijó, seguindo a metodologia de projeto proposta, dando uma boa eficiência estrutural à aeronave.

A competição de 2010 é considerada por muitos na equipe como a melhor de todas, não apenas pelas boas conquistas da equipe, mas pelo espírito de garra, amor e empenho que todos tinham no trabalho que faziam. A equipe passou por alguns revezes ao longo da competição, quando uma das aeronaves oficiais se acidentou após decolar devido a uma forte rajada de vento de través. Na tentativa de montar outro avião, a asa foi praticamente reconstruída em poucas horas com a ajuda de integrantes da equipe Trem Ki Voa Micro, selando uma união que perdura até os dias atuais. A segunda aeronave, porém, voou com 12,665 kg na sexta bateria e garantiu a sexta colocação geral na categoria Regular.

Além da sexta colocação geral na classificação geral na Classe Regular, a Equipe Trem ki Voa recebeu a inesperada Menção Honrosa por maior peso carregado (9,350 kg) decolando no setor 1, pois na época, haviam duas distâncias para decolagem, 30,5 e 61 m. Este feito foi muito comemorado por todos, afinal, além de subir posições na colocação geral, foi a primeira premiação da equipe, sendo motivo de orgulho, sendo uma “coroação” pelos esforços de toda a equipe em 2010. Sendo também, acima de tudo, a herança de uma evolução iniciada no ano de 2000, quando o AeroDesign surgiu na UFSJ.